Variantes P1 e P2 do coronavírus são confirmadas em São Borja

Compartilhe!

Nesta quinta-feira (15) o Laboratório Central de Saúde Pública do Rio Grande do Sul (Lacen) e a 12ª Coordenadoria Regional de Saúde confirmaram que as variantes P1 e P2 do coronavírus estão atuando no município de São Borja desde o início de março.

Conforme nota divulgada pela Prefeitura Municipal, a presença das novas cepas na cidade são as responsáveis pelo agravamento da pandemia no município. Confira, a seguir, a nota divulgada pela administração municipal à imprensa

“Hoje (15) o Laboratório Central de Saúde Pública do Rio Grande do Sul (Lacen/RS) e a 12ª Coordenadoria Regional de Saúde informaram, conforme boletim genômico realizado por sequenciamento em amostragem de coletas de RT-PCR, que as variantes P1 e P2 circulam em São Borja desde o início de março.

A variante P1, identificada pela primeira vez em janeiro de 2021 em Manaus, e a variante P2, identificada no Rio de Janeiro têm alterações que tornam o Coronavírus mais contagioso e também mais resistente a anticorpos da doença, o que aumentou o número de casos, óbitos e reinfecções, inclusive entre as pessoas que já se recuperaram da covid-19.

Ou seja, a P1 e a P2 são as variantes mais letais e de mais rápida disseminação, o que exige que as populações afetadas redobrem os cuidados. A OMS considerou que a nova cepa é “potencialmente perigosa” e apresenta uma combinação de 18 mutações nunca anteriormente descritas no Sars-CoV-2.

A Secretaria Municipal da Saúde afirma que frente ao cenário vivenciado no município de São Borja no mês de março de 2021, esse diagnóstico veio para confirmar o que os especialistas já previam como possível, pelo elevado número de óbitos, casos confirmados e internações.

A Secretaria alerta que ocorreu uma mudança de perfil clínico e de gravidade dos pacientes que precisam de hospitalização, bem como sua evolução muito rápida, já demonstrando a grande possibilidade de ser infecções causadas por novas variantes, mas explica que o manejo ao paciente grave que venha a ser contaminado qual qualquer uma das cepas, segue o mesmo protocolo utilizado até o momento.

Os cuidados de prevenção a essas variantes do vírus precisam ser redobrados, mais do que nunca se torna necessário evitar aglomerações, higienizar as mãos com frequência, manter as rotinas de segurança no local de trabalho e não descumprir o isolamento domiciliar. É importante que a população colabore com os serviços de saúde para que não haja um novo aumento no número de casos.” Conclui a nota.

Rádio Missioneira