logo-nova

Rádio Online

Clique e confira

(55) 3352-4141

Fale conosco!

Rua Júlio de Castilhos 2236, Centro, São Luiz Gonzaga, RS

Tapete sensorial do padre Roque Gonzales contém terra e água do Caaró

Compartilhe!

Uma apresentação sobre o tapete sensorial inspirado no padre Roque Gonzales será uma das principais atrações do Seminário Internacional de História, Educação e Turismo da Região das Missões. O evento acontece nesta quarta e quinta-feira, em Caibaté.

Durante as programações, os artistas José Quevedo e Liliana Sykora, junto da coordenadora da Câmara Paraguaia de Turismo das Rotas Jesuíticas, Olga Fisher, vão contar detalhes sobre a produção da obra interativa, feita também pelo artista Ruben Sykora. para o terceiro turno de atividades do Seminário Internacional das Missões. As palestras, apresentações artísticas e lançamentos de livros ocorrem na sede da Associação dos Funcionários das Missões (Afucer).

No total, considerando o processo de elaboração do projeto e todas as fases de produção, o tapete levou cerca de um ano para ser concluído. Além dos sentidos descritos, o visual conta com detalhes que buscam dar uma dimensão 3D para a obra. Já na busca por despertar o tato, os artistas utilizaram terra e água benta retiradas do Caaró.

O primeiro tapete sensorial foi criado no Paraguai e está exposto na igreja da Paróquia San Roque Gonzales, na cidade de Encarnación. O objetivo da obra é despertar os sentidos e proporcionar uma experiência de imersão. “O primeiro tapete sensorial foi criado para ser uma obra que revitaliza e dá mais visibilidade à vida missionária de São Roque”, afirma José Quevedo, artista visual com mais de 30 anos de experiência em artes e gestão cultural.

Com 4 metros de altura e 6 metros de largura, o tapete possui detalhes em diferentes materiais e sua produção foi feita utilizando diversas técnicas para proporcionar uma experiência que afete os cinco sentidos: visão, audição, olfato, tato e paladar (através da degustação de uma bebida tradicional paraguaia que acompanha as demonstrações).

“Os visitantes podem tocar, sentir e emocionar-se com as energias curativas da terra e da água benta trazidas do próprio local onde o Coração de Roque resistiu ao fogo para falar e deixar a sua mensagem de amor e fé”, destaca Liliana Sykora.

Fonte: Seminário Internacional das Missões

IMPORTANTE: Não autorizamos a reprodução de conteúdo em outros sites, portais ou em mídia impressa, salvo sob autorização expressa.