São Luiz Gonzaga completa 334 anos de fundação e 141 anos de emancipação

Compartilhe!

Em 1687, jesuítas e guaranis erguiam o povoado, iniciando a bela trajetória de nossa terra 

Nesta quinta-feira, 3 de junho, São Luiz Gonzaga completa 334 anos de fundação e 141 anos de emancipação político-administrativa. A história deste importante município do Rio Grande do Sul inicia em um dia como hoje de 1687. O padre jesuíta Miguel Fernandez peregrina com cerca de três mil índios guaranis cristianizados, desde a redução jesuítica de Concepción (atualmente na Argentina) e, no alto de uma coxilha, entre os arroios Pirajú e Ximbocú, funda a Missão de San Luis.

Durante longos anos, o povoado prosperou. São Luiz Gonzaga tornou-se um dos Sete Povos e em 1768, após viver uma das experiências civilizatórias mais impactantes da humanidade, testemunha o seu fim. O professor de história e membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Luiz Gonzaga, Anderson Amaral, relembra um detalhe angustiante deste fato.

“Em 1768, com a expulsão dos jesuítas, os índios de São Luiz escreveram uma comovente carta. Nela, lamentavam o fim da Missão e o impacto que isso representaria. É uma das obras mais lindas da América”, conta Anderson.

Após o fim do povoado, São Luiz Gonzaga virou ruínas. Foram necessárias longas décadas para que um mínimo sinal de progresso surgisse no horizonte. O povoado, em franca decadência, foi invadido e saqueado na década de 1820 pelo uruguaio Frutuoso Rivera. Quando irrompeu a Guerra dos Farrapos, em 1835, muitas famílias, para fugir das tropas, ocuparam as construções abandonadas.

Ruínas da Igreja da Redução Jesuítica de São Luiz Gonzaga em 1855 | Foto: reprodução/Internet

 

Em 1880, São Luiz já contava com algumas edificações importantes. No dia 3 de junho de 1880, pela Lei nº 1.238, foi elevado à categoria de vila, obtendo a autonomia do município de Santo Ângelo.

 

O CENTRO DE IMPORTANTES FATOS

A partir do desmembramento de Santo Ângelo, São Luiz Gonzaga testemunhou importantes fatos históricos. Segundo Anderson Amaral, a cidade foi um dos palcos principais da Revolução Federalista, em 1893, considerada a guerra mais sangrenta do Rio Grande do Sul, onde 10% da população morreu. A cidade foi centro da batalha e muitas tropas acamparam na Praça da Matriz.

Conforme Anderson, depois das Missões, o fato de maior importância talvez tenha sido a passagem da Coluna Prestes por São Luiz Gonzaga em 1920. “A maior marcha revolucionária da Humanidade iniciou aqui, na nossa cidade e isso é de extrema relevância”, avalia o professor.

Igreja Matriz na década de 1930 | Acervo: Instituto Histórico e Geográfico de São Luiz Gonzaga

 

No início do século XX, o então senador Pinheiro Machado procurou trazer o progresso para a cidade. Instalou em São Luiz o Aprendizado Agrícola, o telégrafo e a estrada de ferro. Com o assassinato do senador em 1915, São Luiz novamente mergulhou numa profunda estagnação.

 

O ATUAL MUNICÍPIO

Desde a década de 1950, diversos distritos desmembraram-se de São Luiz Gonzaga. É o caso dos atuais municípios de Cerro Largo, Guarani das Missões, Porto Xavier, Roque Gonzales, Caibaté, Bossoroca, São Nicolau, Pirapó, Dezesseis de Novembro e Rolador.

Atualmente, São Luiz Gonzaga conta com uma população aproximada de 33 mil habitantes e permanece sendo um dos municípios com maior área territorial das Missões, com cerca de 1.300 Km². A vasta produtividade agrícola o torna um dos maiores produtores de trigo, milho e soja do Rio Grande do Sul.

Rádio Missioneira | Informações da Prefeitura Municipal