logo-nova

Rádio Online

Clique e confira

(55) 3352-4141

Fale conosco!

Rua Júlio de Castilhos 2236, Centro, São Luiz Gonzaga, RS

Reunião esclarece situação financeira do hospital de São Luiz Gonzaga

Compartilhe!

O vereador Reni Rodrigues Lopes – Presidente do Legislativo, coordenou o encontro , assim como, participaram da mesa Itamar Batista Chagas – Secretário de Administração, Valmir Rosa Silveira – Representante da Secretária de Saúde, Itamar Antônio Maciel da Silva – Assessor Jurídico do Hospital e Iria Diedrich – Interventora do Hospital.

Acompanharam o encontro os vereadores: Enderson Rocha de Morais, Eni Araújo Malgarim, Celestino Stragliotto, Clovis da Veiga, Maria de Lourdes Matzembacker, Jose Antônio Caetano Braga, Paulo Cesar da Trindade Garcia e Sidney Luiz Brondani. Assim como, o prefeito Junaro Rambo Figueiredo, compareceu no encontro e respondeu questionamentos.

A interventora do hospital de São Luiz Gonzaga, Iria Diedrich, realizou apresentação sobre a situação financeira do hospital. Segundo Iria, sua manifestação vem com o objetivo de esclarecer muitas dúvidas frequentes da comunidade.

Iria, no início de sua explanação, declarou que desde a intervenção do hospital, quando, oportunidade que assumiu a administração do mesmo, até o momento, foram realizadas adequações de serviços que estavam irregulares. Segundo a interventora, dentre algumas ações, destacam-se: as melhorias na pediatria. A regularização do serviço de higienização, que atualmente atende aos padrões de exigência. Assim como, serviço de nutrição até a meia noite, o qual era inexistente. Aplicação do controle de infecção hospitalar que estava desativado e é imprescindível junto a um local de saúde pública.

Controle da portaria, diuturnamente. Organização no departamento de Recursos Humanos. Organização do arquivo do hospital. E aperfeiçoamento das relações com o sindicado de saúde, que devido a várias divergências, estava abalada. Também, reformas internas em todo o prédio. Pintura, limpeza, ampliação de salas. Destaque para o aperfeiçoamento do ambulatório, que foi pintado, lavado e reformado.

Serviços de pintura em toda área interna no hospital, troca de piso em toda a unidade 2, que era de madeira, centro cirúrgico todo reformado, com aumento de uma sala cirúrgica, para colocação de novos equipamentos, como o arco cirúrgico e a mesa radiotransparente. A agência transnacional de sangue foi adequada segundo as normas solicitadas pela vigilância sanitária. Investimentos em cozinha, com aquisição de câmara fria para proteção dos alimentos. A rede elétrica recebeu vários investimentos. Todo telhado foi trocado na área velha do hospital, com colocação de telhas em aço. Estão sendo realizadas algumas obras na parte externa do hospital, para ampliação de estoque. Assim como, uma nova área para o armazenamento de arquivos e prontuários.

Novos serviços – Unidade de Tratamento de Saúde Mental, 14 leitos. Casa da Gestante, 4 leitos. Referência SAMU/Salvar no município e Santo Antônio das Missões. Serviço de Tomografia. Prontuário Eletrônico. Instalação da Biometria. Serviço de imagem (ecografia, tomografia e raio X). Acolhimento e Classificação de Risco.

Atualmente – Segundo Iria, a folha de pagamento está em dia, recolhendo mensalmente FGTS e INSS. O hospital não gera mais dívidas. Inclusive, os funcionários que estão se aposentando ou solicitando afastamento recebem o seu fundo de garantia. A conta de luz está sendo paga, existe um débito muito grande com a RGE, mas não se gera mais dívidas nessa área – “Estamos com a credibilidade recuperada, conseguindo obter prazos. E os compromissos assumidos na justiça do trabalho, estão sendo todos cumpridos” – disse a administradora.

FGTS – A dívida com o FGTS começou a ser originada em 1984, muitos planos passaram, e muito mudou devido a informatização do sistema. Então, para apurar esse valor, o jurídico do hospital, está realizando um levantamento aprimorado do valor real dessa dívida, pois o valor que está sendo cobrado atualmente, não é de acordo com o que a administração do hospital prevê. Assim, documentos estão sendo organizados para comprovar que grande parte desse valor, já foi quitada.

Projetos de curto prazo – Sobre a instalação da UTI, existem vários projetos que devem ser aprovados ate a instalação de fato da unidade de tratamento intensivo. Previsão para conclusão dessa obra é ate o segundo semestre de 2014. Mas Iria, alerta que para iniciar o funcionamento desta unidade, o hospital precisa dispor no mínimo, nós primeiros quatro meses de recurso em caixa, para manter essa UTI, ate que sejam encaminhadas todas as documentações necessárias para o credenciados desses leitos. A interventora acredita, que mesmo assim, não terá maiores problemas para concluir essa ação.

Além disso, estão previstas obras para reforma da lavanderia. Com verba da consulta popular foi possível à aquisição de todo o maquinário novo desta área. Agora, resta somente a realização da reforma física, sendo previstos gastos em torno de R$40.000 para esse projeto. Também, ainda esse ano existe a previsão de readequação do ambulatório, serão abertas algumas paredes de forma emergencial, e a longo prazo serão analisadas outras formas de ampliação.

Dados – Durante esse período, foi possível sanar muitas dívidas existentes no hospital. Inclusive, foi evitado o leilão de uma área física. Essa situação ocorreu, logo que a intervenção teve início, e então com uma negociação foi possível evitar esse fato, e área que seria leiloada, hoje abriga a unidade de saúde mental, referência para a região. Sobre as ações trabalhistas, já foram negociadas 67, destas, somente quatro ainda estão sendo quitadas, restando poucas parcelas. As demais foram todas liquidadas. O FGTS começou a ser recolhido em março de 2008, sem atrasos desde esse período. A dívida com a União foi negociada, parcelando o INSS e as multas da receita federal. Com isso, nessa semana o hospital recebeu essa negativa, não tendo registros neste segmento. Existem descontos no faturamento, devido a ações trabalhistas, 20% no IPE, e 10% no SUS.

Ao finalizar a apresentação, Iria, afirmou que o hospital não gera mais dívidas. E que todo o possível para quitar os débitos passados está sendo feito. A interventora acredita que em um futuro próximo essas dívidas tornem-se inexistentes – “Estamos realizando um trabalho de formiguinha, e a cada conquista celebramos, pois acredito que estamos no caminho certo”- finalizou.

 

IMPORTANTE: Não autorizamos a reprodução de conteúdo em outros sites, portais ou em mídia impressa, salvo sob autorização expressa.