Representante do DNlT garante apoio à reivindicação da AMM para pavimentação da BR 472

Próxima etapa será uma audiência com a superintendência do Departamento na assembleia da Associação, que acontecerá em Porto Alegre, na sede da Famurs, nos dias 17 e 18 de julho

No segundo semestre deste ano iniciam os estudos do traçado e impactos ambientais para a pavimentação da BR 472 trecho Porto Xavier/São Borja, numa extensão de 140 quilômetros. A informação foi transmitida, na quinta-feira, dia 26 de junho, aos prefeitos da Associação dos Municípios das Missões(AMM), durante a reunião mensal da Associação, pelo Supervisor Geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), de Cruz Alta, Luiz Bassani, que representou o Superintendente Estadual no encontro com os prefeitos, que ocorreu em Roque Gonzales. Segundo ele "a mobilização da AMM está sendo de grande valia. O Departamento vai se empenhar para agilizar os Estudos de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA), e momento agora é de fazer pressão política", lembrou Bassani.

E a Associação dos Municípios das Missões já está trabalhando para viabilizar a obra considerada fundamental para o desenvolvimento e aquecimento da economia de toda a região. Foi encaminhado documento para a Superintendência Estadual do DNIT, formalizando o pedido e convidando o dirigente da entidade para se reunir com os 26 prefeitos missioneiros, na próxima assembleia da AMM, que vai ocorrer nos dias 17 e 18 de julho, na sede da Federação das Associações dos Municípios das Missões (Famurs), na Capital gaúcha.

Ponte internacional no PAC3

Aproveitando a presença do técnico do Dnit os prefeitos quiseram saber como está a questão da escolha de Porto Xavier como o local ideal para a construção da ponte internacional. Luiz Bassani explicou que a questão está sob responsabilidade do DNIT, em Brasília. O presidente da AMM, prefeito de São Luiz Gonzaga, Junaro Figueiredo, disse que a Associação vai permanecer atuante no propósito de garantir a construção da obra na região das Missões. "Nossa luta não vai parar. Estamos aguardando confirmação de audiência com a ministra do Planejamento, prevista para ocorrer na primeira quinzena do próximo mês de julho", informou Junaro Figueiredo.

Conforme orientação recebida pela comitiva missioneira em reunião com a diretoria do DNIT, em Brasília, no mês passado, o encontro com a ministra tem como objetivo incluir o pleito nas obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 3) do governo federal. De acordo com o diretor executivo do DNIT, diante da viabilização desta possibilidade, não será necessária a continuidade do EVTEA.

Mobilização contra resolução 64

Outra questão tratada na reunião mensal da AMM foi sobre as mudanças que devem ocorrer na Resolução 64, do governo estadual, que muda o perfil assistencial de pequenos hospitais e, em consequência, elimina a realização de partos e cirurgias. Apesar de ainda estar em vigor, ela será revisada em razão da luta dos prefeitos da Associação dos Municípios das Missões (AMM), que somaram esforços com representantes de hospitais regionais e outras Associações de Municípios para protestar contra a iniciativa, que poderia ocasionar graves transtornos para a saúde da população, com o possível fechamento dos centros cirúrgicos e até do hospitais de pequeno porte.

União e pressão política

O vice-prefeito de Guarani das Missões, Cleto Gorski, reiterou que a Secretaria Estadual de Saúde (SES) vai criar uma regra específica para os hospitais que queiram manter partos e cirurgias. "Os prefeitos missioneiros se uniram, fizeram pressão política e está dando certo. O governo do Estado recuou e terá que encontrar outra alternativa para tratar o problema", ressaltou ele. A polêmica medida afetava principalmente municípios com menos de 10 mil habitantes, que teriam de encaminhar os pacientes para cidades com hospitais de médio e grande portes.

De acordo com a secretária estadual da Saúde, Sandra Fagundes, a pressão dos prefeitos contou bastante para que fosse providenciada a alteração na resolução. Foi formado um grupo de trabalho para definir as mudanças que serão feitas na distribuição dos recursos. E, segundo informações da Secretaria será elaborado um calendário de reuniões com todas as regiões. O dirigente da AMM, Junaro Rambo Figueiredo, explicou que a Associação está em contato com o gabinete da Secretaria Estadual de Saúde para saber quando será agendado o encontro na região das Missões.

A próxima assembleia mensal da Associação dos Municípios das Missões será nos dias 17 e 18 de julho, na sede da Famurs, em Porto Alegre, quando os 26 prefeitos missioneiros estarão reunidos com secretários, autoridades federais e estaduais, para apresentar as demandas da região e conseguir reforço para efetivá-las. Prefeitos, vices, secretários municipais, primeiras-damas, vereadores, imprensa regional e comunidade em geral participaram da reunião da AMM em Roque Gonzales, que chamou a atenção dos convidados pela criativa decoração do Clube da Terceira Idade, em homenagem aos jogos da copa. O município anfitrião também presentou os participantes com uma cesta de produtos coloniais, produzidos por moradores locais.