Região das Missões não registra pontos de adesão à greve dos caminhoneiros

Compartilhe!

Marcada para começar nesta segunda-feira (1º) em todo o país, a greve dos caminhoneiros tem registro de poucas mobilizações no Rio Grande do Sul, segundo membros do movimento. Não há registros de atos na região missioneira. Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), Comando Rodoviário da Brigada Militar e integrantes da categoria, até as 12h, não havia informação sobre bloqueios em rodovias estaduais e federais

Ijuí, no Noroeste, Rio Grande, no Sul, e Pinheiro Machado, na Campanha, têm pontos de concentração de caminhoneiros, segundo o presidente do Sindicato dos Transportadores Autônomos de Bens de Rio Grande (Sindicam), José Roberto Tadeu da Rosa, um dos principais representantes do movimento no Estado.

Em Ijuí, os caminhoneiros estão agrupados no trevo do posto 44, entre a ERS 342 e a BR 285, ponto que tradicionalmente recebe atos da categoria, segundo o caminhoneiro Carlos Alberto Litti Dahmer. No local, os manifestantes convocam colegas para aderirem ao movimento. Em Rio Grande, a concentração foi registrada em ponto da BR-392. Já em Pinheiro Machado, os trabalhadores estavam no acesso ao município, segundo o Sindicam.

— Bloqueio de rodovia não está tendo. Tem os pontos de conscientização, que a gente conversa com o pessoal. Mas o pessoal já viu que não tem caminhão rodando. Desde meia-noite está tudo parado. Tu vê um, dois caminhões no intervalo de duas horas — afirma Rosa.

O presidente do Sindicam afirma que a greve não tem previsão de encerramento e que ainda não recebeu sinal do governo no âmbito de negociação. O presidente da Federação dos Caminhoneiros Autônomos do Estado (Fecam-RS), André Costa, afirma que não há registro de transtornos em relação ao trafego de caminhões nas estradas no Estado e nem de prejuízo ao trabalho dos autônomos. A entidade não apoia a mobilização.

Fonte: GaúchaZH