Atendimento médico à pessoas com sintomas de covid-19 segue alto em São Luiz Gonzaga

Compartilhe!

Final de semana foi marcado por muitos casos positivos da doença e temor de uma nova superlotação do hospital aumenta

A procura por atendimento médico de pessoas com sintomas de covid-19 no Posto de Saúde referência da doença em São Luiz Gonzaga foi alto neste final de semana, assim como já vinha ocorrendo nas últimas semanas. A informação foi confirmada pelo diretor técnico do Hospital São Luiz Gonzaga, médico José Renato Grisólia, em entrevista ao programa Jornal da Manhã.

Ele afirmou que o município deverá registrar um número muito alto de novos casos de covid-19 nesta segunda-feira (31), já que a quantidade de pessoas com sintomas de síndrome gripal que procuraram atendimento médico no ESF Centro, ao lado do prédio do INSS, foi considerável.

“Estamos observando, principalmente nas três últimas semanas, um aumento vertiginoso nos números da doença em toda a região. Os gráficos comprovam essa situação em São Luiz Gonzaga e tememos uma nova superlotação do Hospital. Se seguir nesse ritmo de contaminação, os próximos dias serão muito complicados”, afirma José Renato.

Até a manhã desta segunda-feira (31), a Ala Covid do Hospital São Luiz Gonzaga estava com 26 internados, uma leve alta comparada à sexta-feira, embora tenham ocorrido várias altas. José Renato informa também que hoje inicia um atendimento diferenciado no Posto de Saúde referência à doença, com dois profissionais atendendo os pacientes, para dar conta da demanda.

“Não temos funcionários para montar um novo centro de triagem. A pandemia esgotou os profissionais e agora, muitas estão sendo contaminados, mesmo após vacinados”, ressalta o médico. Segundo ele, quatro colaboradores do Hospital São Luiz Gonzaga estão afastados com a doença, mas se recuperam em casa, com sintomas leves.

José Renato considera que provavelmente a variante P.1 do coronavírus é a responsável pelo comportamento diferenciado do vírus em São Luiz Gonzaga. Mas conclui que há esperança. O exemplo da vacinação em massa na cidade de Serrana, no interior de São Paulo, comprova que a vacina é eficaz e reduz consideravelmente o número de novos casos e mortes. “A cidade possui 45 mil habitantes e os resultados são muito animadores. A doença não será erradicada, mas controlada”, finaliza o diretor do Hospital.

Rádio Missioneira