Primeiro são-luizense diagnosticado com covid-19 celebra a vida, após ficar 24 dias entubado

Compartilhe!

Há um ano, Paulo Rogério Bueno de Moura tornava-se o primeiro infectado pelo vírus no município. Hoje, comemora o renascimento com seu primeiro neto

No dia 4 de maio de 2020, há exatamente um ano, São Luiz Gonzaga confirmava o primeiro caso de covid-19. A doença, responsável pela maior pandemia do século XXI, teve como primeiro infectado no município Paulo Rogério Bueno de Moura, de 44 anos.

Morador de São Luiz Gonzaga, Paulo trabalha em uma empresa de distribuição de hortifrutigranjeiros. Reside na cidade com sua esposa e possui dois filhos. Em entrevista à Rádio Missioneira, ele relembrou que os primeiros sintomas iniciaram após retornar de viagem ao Ceasa de Porto Alegre. “Em casa, após uma semana com dores abdominais e febre, decidi procurar atendimento médico e a doença foi diagnosticada, através de teste”, conta.

Novos exames foram realizados e, além de reafirmar a presença do vírus, foi constatado um comprometimento de 85% dos seus pulmões. Paulo foi, então, internado em leito de Unidade de Terapia Intensiva na cidade de Santo Ângelo. Ficou 32 dias hospitalizado e 24 dias entubado, necessitando, inclusive, ser submetido ao procedimento de traqueostomia.

 

“A doença, só de pensar dá medo. É muito difícil ver os colegas de quarto na mesma situação e não ter um familiar para te confortar. Não tenho palavras para expressar o medo que senti”, conta Paulo.

 

Após a alta hospitalar, o são-luizense teve uma grata surpresa. Após seis dias em casa, seu primeiro neto – Davi Gabriel – veio ao mundo. “Eu e ele comemoramos um ano de vida juntos”, considera. Mas a covid-19 deixou outras marcas inesquecíveis para Paulo. Após contrair a doença, seus rins ficaram com sequelas e hoje necessita realizar hemodiálise. 

Paulo ficou quatro meses sem andar. Realizou diversas sessões de fisioterapia e hoje está trabalhando normalmente na sua atividade. Ele afirma que a sua vida mudou radicalmente após contrair a doença e passou a valorizar todos os momentos. “Aproveito muito mais a família, faço videochamadas e passei a valorizar não somente o dinheiro, mais as coisas simples da vida” enfatiza.

Paulo conta que busca, sempre, auxiliar as pessoas que estão com o vírus, tirando dúvidas e tranquilizando. “Graças a Deus consegui sair dessa, voltei ao trabalho, mas sigo me cuidando, pois o que passei foi uma luta”, conclui.

Após um ano do registro do primeiro infectado, conforme Boletim Epidemiológico divulgado nesta segunda-feira (3), São Luiz Gonzaga já contabiliza 2.437 casos confirmados e 57 óbitos. Outras 2.317 pessoas se recuperaram da doença e 63 seguem com o vírus ativo no organismo. 

Rádio Missioneira