Rádio Online

Clique e confira

(55) 3352-4141

Fale conosco!

Rua Júlio de Castilhos 2236, Centro, São Luiz Gonzaga, RS

Presidente do Sindiágua-RS comenta impactos que a privatização da Corsan poderá causar

Compartilhe!

Em entrevista ao programa Jornal da Manhã na Missioneira FM 94.9 nesta quarta-feira (24), Arilson Wünsch, presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Purificação e Distribuição de Água e em Serviços de Esgoto do Rio Grande do Sul (Sindiágua-RS), destacou que a realidade das consequências que a privatização causará precisa ser informada aos municípios gaúchos.

Arilson observou, por exemplo, que os novos contratos, após a possível privatização, prevêem gastos que prejudicarão as prefeituras. A mercantilização dos serviços de saneamento poderá implicar em prejuízos financeiros enormes, tanto para a sociedade, quanto para as administrações municipais.

O presidente do Sindiágua-RS deixou claro que contratos vigentes entre as prefeituras e a Corsan, são, de fato, válidos e os futuros consórcios intermunicipais para a gestão da água e do saneamento, como já foi elencado pela Região das Missões, poderá ser feito, desde que os prefeitos não assinem o aditivo contratual.

Na opinião de Arilson, dos mais de 300 municípios gaúchos que possuem contratos com a Corsan, não mais de 20 deverão assinar o aditivo. O lider sindical lembra, por fim, que a Corsan é a fonte de renda para mais de 10 mil famílias do Estado e que sua venda poderá acarretar em desempregos e fortes prejuízos econômicos.

Rádio Missioneira