Presidente da Coopatrigo recebe visita do prefeito de Bossoroca

Compartilhe!

Entre as pautas discutidas, a situação da ponte sobre o Rio Piratini, na ERS 168, que está com problemas de estruturação

Na sexta-feira o presidente da Coopatrigo Paulo Pires esteve recebendo na sede administrativa da cooperativa em São Luiz Gonzaga a visita do prefeito municipal de Bossoroca José Moacir Fabrício Dutra.

Na oportunidade José Moacir Fabricio Dutra presenteou o presidente da Coopatrigo com uma caneca com a temática da Buena Terra Missioneira para demonstrar a importância da Coopatrigo para o seu município.

“Os pequenos municípios conseguem manter seus serviços graças ao Fundo de Participação dos Municípios que tem a sua origem na geração de impostos que empresas como a Coopatrigo realizam e neste sentido somos muito gratos pela grande atuação da Coopatrigo em nosso município”, disse o prefeito de Bossoroca.

Paulo Pires, por sua vez, agradeceu a visita e disse que a Coopatrigo mantém um estreito relacionamento com todos os municípios onde atua, cumprindo com um dos seus princípios que é a preocupação com as comunidades.

“Neste relacionamento sempre procuramos dialogar com as administrações municipais para o atendimento das necessidades dos nossos associados principalmente com a infraestrutura para que eles consigam levar suas produções até as Unidades da Coopatrigo”, afirmou o presidente.

No encontro, Paulo Pires e José Moacir Fabricio Dutra juntamente com o vice-presidente Luiz Flávio Oliveira e o superintendente Marcos Aurélio Pilecco debateram sobre diversos assuntos, entre os quais a situação da ponte sobre o Rio Piratini na ERS 168 que está com problemas de estruturação e não permite a passagem de caminhões com peso superior a 24 toneladas.

Sobre esse assunto, o prefeito de Bossoroca disse que, por enquanto, o governo do estado ainda não sinalizou para uma solução para este problema, devido as suas dificuldades financeiras e que as empresas como a Coopatrigo que transportam grãos para o Porto de Rio Grande tem que evitar este trajeto com cargas superiores a 24 toneladas.

Fonte: Roberto Marques | Assessor de Comunicação da Coopatrigo