logo-nova

Rádio Online

Clique e confira

(55) 3352-4141

Fale conosco!

Rua Júlio de Castilhos 2236, Centro, São Luiz Gonzaga, RS

Ocergs elege nova diretoria

Compartilhe!

O Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Rio Grande do Sul (Ocergs) realizou terça-feira, dia 15, na AMRIGS, em Porto Alegre, a Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária (AGO e AGE), que tratou da eleição da Diretoria, Conselho Fiscal e Conselho de Ética da Entidade para o exercício 2014-2018.

O evento contou com a presença do presidente e vice-presidente em exercício do Sistema Ocergs-Sescoop/RS, Vergilio Perius e Irno Pretto, respectivamente; coordenador do Centro de Agronegócio da FGV-EESP e ex-ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues; segundo vice-presidente do Sistema, Rui Polidoro Pinto; secretário da Ocergs, Orlando Borges Muller; superintendente do Sistema Ocergs-Sescoop/RS, Norberto Tomasini; representante do Conselho Fiscal da Ocergs, Luiz Hélio Girotto, auditor da Dickel e Maffi Auditoria e Consultoria S/S, Erni Dickel e o gerente jurídico do Sistema Ocergs-Sescoop/RS, Mario De Conto, além de presidentes, vice-presidentes e dirigentes de cooperativas.

A Assembleia teve início às 10h, a partir da terceira convocação, com a presença de 87 cooperativas adimplentes, totalizando 408 votos. A eleição ocorreu com base no novo Estatuto Social da Ocergs, que teve adequação ao modelo nacional em novembro de 2013.

Vergilio Perius deu início à Assembleia agradecendo a presença de todos os presentes. Após, juntamente com Irno Pretto, Norberto Tomasini, Erni Dickel e Luiz Helio Girotto, foi apresentada a 1ª ordem do dia, presente no edital de convocação: a apreciação e deliberação sobre a Prestação de Contas do Exercício de 2013, incluindo o Parecer do Conselho Fiscal e da Auditoria, o Relatório de Gestão, o Balanço Patrimonial e o Demonstrativo dos Resultados, que foi aprovada com unanimidade pelos presentes.

A segunda ordem do dia foi a apreciação e deliberação sobre o Plano de Trabalho, Orçamento de Receitas e Despesas do Exercício de 2014, também aprovada com unanimidade. A eleição das chapas para eleger os membros da Diretoria, Conselho Fiscal e Conselho de Ética, presidida pela Comissão Eleitoral composta por Gerson Ricardo Seefeld, Renato Kreimeier e Erineo José Hennemann, foi a 3ª ordem do dia. Com a participação de todos os presentes, através de voto por aclamação, as chapas foram aprovadas com unanimidade. Os membros eleitos pertencem a 29 cooperativas gaúchas dos treze ramos de atividades da economia. Confira a lista completa abaixo:

 

 

 

Após, na 4ª ordem do dia, o atual presidente, Vergilio Perius, nos termos do art. 10, parágrafo 3º do Estatuto Social, foi indicado pela diretoria eleita, representada pelo diretor secretário, Paulo Cézar Vieira Pires, para continuar a ocupar a presidência na próxima gestão, tendo sua indicação homologada por unanimidade pelos presentes.

Em seguida, Perius agradeceu a presença significativa de todas as cooperativas na Assembleia, bem como o apoio ao seu trabalho nos últimos anos e convidou as cooperativas para estarem cada vez mais presentes nas ações do Sistema. “O cooperativismo gaúcho tem uma potencialidade muito grande de crescer em todos os setores. Essa é uma nova experiência de gestão, em que estamos modernizando e principalmente olhando para o futuro. Temos muito para avançar interna e externamente, nas cooperativas e políticas públicas, mas espero corresponder a confiança da diretoria juntamente com nosso colegiado interno, colaboradores, diretoria e conselhos”, concluiu.

Após, foram apreciadas pelos presentes com unanimidade, as demais ordens do dia: fixação do valor das cédulas de presença dos integrantes da diretoria e dos conselhos, e da remuneração do diretor secretário, técnico sindical e do presidente da Ocergs; autorização do presidente da entidade a firmar convenções coletivas e/ou acordos em processos de revisão e/ou dissídios coletivos; definição de valores da contribuição assistencial para o exercício de 2015.

Por fim, foi realizada a Assembleia Geral Extraordinária em que foram apresentados alguns aspectos do Instituto Gaúcho do Leite (IGL) como os requisitos de admissão, a responsabilidade social, como funciona a participação dos associados e a participação da Câmara Técnica. Após as considerações do presidente do IGL, Gilberto Piccinini, sobre a importância do Sistema Ocergs-Sescoop/RS para o cooperativismo gaúcho, a AGE autorizou a associação da Ocergs ao Instituto Gaúcho do Leite. Em seguida, também tratou de assuntos gerais, sem caráter decisório, como a prorrogação das inscrições para o Prêmio Ocergs de Cooperativismo cujo novo prazo se estendeu até o dia 29 de maio.

Após o encerramento das Assembleias, Roberto Rodrigues palestrou sobre o cenário do agronegócio brasileiro, sobre a trajetória e importância de ações do presidente Vergilio Perius no sistema cooperativista e na montagem da Constituinte. “Existem três coisas essenciais na vida: fazer o que se gosta, o que se sabe e ter sorte. E o Sistema do Rio Grande do Sul tem a sorte de ter o Vergilio que sabe e gosta do que faz”, finalizou Rodrigues.

O novo Estatuto 

Pelo atual estatuto, o presidente da entidade não é mais eleito pelo voto dos presentes na AGO, mas sim, contratado pela diretoria eleita.

No ano de 2012, a OCB passou por um processo de Reforma Estatutária que, entre outras mudanças, provocou alterações significativas no que concerne aos órgãos sociais da entidade. As mudanças relacionam-se, notadamente, a uma nova configuração da administração da entidade, buscando adequá-la às chamadas “Boas Práticas de Governança Corporativa”.

Segundo dispõe o Código das Melhores Práticas de Governança Corporativa, a Governança Corporativa é o sistema pelo qual as organizações são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo os relacionamentos entre proprietários, Conselho de Administração, Diretoria e órgãos de controle. Os princípios de Governança Corporativa são a transparência, equidade, prestação de contas e responsabilidade corporativa. No que concerne à administração de sociedades, em linhas gerais, pode-se dizer que as práticas de Governança Corporativa preconizam a segregação entre as funções estratégicas e executivas.

 

IMPORTANTE: Não autorizamos a reprodução de conteúdo em outros sites, portais ou em mídia impressa, salvo sob autorização expressa.