Novo presidente do Simers: “Saúde nunca foi, fora da campanha eleitoral, uma prioridade no Brasil”

Compartilhe!

Após 20 anos sob o comando de um único presidente, o Simers (Sindicato Médico do Rio Grande do Sul) está sob nova direção. Em uma eleição bastante disputada, o dr. Marcelo Marsillac Matias tomou posse como novo mandatário da entidade. Em participação no programa Jornal da Manhã desta quarta (6) ele expôs suas principais ideias para o trabalho que se inicia.

Falando sobre a longeva gestão passada, o Presidente disse que a mesma foi marcada por méritos e alguns problemas, entre eles a falta de transparência na prestação de contas. Com a proposta de uma administração mais profissional do Sindicato, ele quer agir em prol de melhores condições para os profissionais trabalharem – Saúde nunca foi, fora da campanha eleitoral, uma prioridade no Brasil – destacou o médico.

Mais médicos

Com a instituição de comissões atuantes, entre elas uma responsável exclusivamente por assuntos no interior (que já atuou em um assunto específico em São Luiz Gonzaga), Marcelo apontou algumas políticas que o desagradaram como profissional. Uma delas foi o programa Mais Médicos, o qual considerou uma solução inadequada para um problema real.

Segundo o Presidente do Simers, por meio do Mais Médicos, o Governo Federal colocou a Saúde nas mãos de profissionais (vindos de Cuba) cuja qualificação era duvidosa, uma vez que, ao chegarem no Brasil, não era feita a revalidação do diploma. Ele também criticou o frágil controle do Brasil sobre este acordo com Cuba, pois, no momento em que o governo cubano decidiu parar com o programa, os médicos foram imediatamente embora.

Plano de carreira

Na sequência da entrevista, Marcelo informou que lutará pela instituição de um plano de carreira para os médicos, seja ele estadual ou federal, que interiorize os profissionais da mesma forma com que hoje acontece com o Judiciário e Ministério Público. Logo depois da saída dos cubanos, muitos médicos se inscreveram para preencher as vagas anunciadas, inclusive em tempo recorde. No entanto, o Simers já começou a receber denúncias de profissionais que não vêm recebendo seus salários, o que o faz retornar ao início da entrevista, onde asseverou que a Saúde é prioridade apenas durante as campanhas eleitorais.

O Sistema Único de Saúde também será tema do trabalho desta gestão do Simers – não tiramos os méritos (do SUS), mas ele certamente deixou lacunas e, a longo prazo, temos dúvidas a respeito da sustentabilidade do Sistema – acrescentou Marcelo, apontando novamente a situação do interior.

Rádio Missioneira