"Mão lisa": afirmação de economista ligado à Bolsonaro causa indignação em trabalhadores rurais - Rádio Missioneira - São Luiz Gonzaga - RS
55.99986.2313 (55) 3352-4141

PREVISÃO DO TEMPO

São Luiz Gonzaga
21 de janeiro de 2019
55.99986.2313 (55) 3352-4141

“Mão lisa”: afirmação de economista ligado à Bolsonaro causa indignação em trabalhadores rurais

Foto: Arquivo/Rádio Missioneira
21 de janeiro de 2019 l 15:07
Materia atualizada: 04/04/2019 l 10:49

Mobilizações contra a proposta de Reforma da Previdência não estão descartadas





Compartilhe!

Causou indignação nos trabalhadores rurais a afirmação do economista Paulo Tafner, ligado ao governo de Jair Bolsonaro que chamou a classe de “mão lisa”.  Logo após a divulgação, a Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetag) emitiu nota de repúdio. “Quem afirma que o agricultor tem mão lisa não conhece o campo, provavelmente nunca teve contato com o trabalho rural e não sabe de onde vem a comida que vai à mesa do brasileiro”, diz o documento.

Leia aqui a nota completa

Para Rafael Delogare Paz, do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de São Luiz Gonzaga, se trata de uma tentativa de denegrir a imagem do entidade sindical e dos trabalhadores do campo. Em entrevista ao programa Jornal da Manhã de hoje, ele analisou a afirmação como preocupante. “É uma tentativa de enfraquecer nosso movimento e colocar a culpa da previdência no trabalhador rural”, disse. Tafner ainda afirmou que o sindicato cresce com base em ações irregulares e benefícios, o que segundo Rafael, não é verdade.

Conforme Dallenogare, a situação já esperada quando o governo foi eleito. Ele destacou que estão atentos, em especial sobre a reforma. Os trabalhadores não concordam que a classe ganhe menos e que o impacto seja em quem trabalha no campo. O sindicalista defende que devam ser cortados privilégios de quem ganha mais.

O movimento sindical se reunirá em Porto Alegre no final de janeiro para discutir estratégias contra a reforma e outras ações do governo que possam ser prejudiciais aos trabalhadores. Ele não descarta a realização de mobilizações nas ruas. “É assustador, mas estamos atentos e focados na defesa do trabalhador rural”, argumentou.

Ouça a entrevista

Fonte: Rádio Missioneira


Copyright 2018 ® - Todos os direitos reservados