Juíza Eleitoral alerta sobre condutas irregulares e orienta sobre como denunciar crimes eleitorais - Rádio Missioneira - São Luiz Gonzaga - RS
55.99986.2313 (55) 3352-4141

PREVISÃO DO TEMPO

São Luiz Gonzaga
7 de outubro de 2018
55.99986.2313 (55) 3352-4141

Juíza Eleitoral alerta sobre condutas irregulares e orienta sobre como denunciar crimes eleitorais

Foto: Amanda Lima/Rádio Missioneira
7 de outubro de 2018 l 14:06
Materia atualizada: 07/10/2018 l 14:19

Uso de celular na urna não é permitido





Compartilhe!

Neste domingo (7) de eleições é importante o eleitor tomar cuidado com algumas manifestações, como orienta a juíza eleitoral Gabriela Dantas Bobsin. Em entrevista para a Rádio Missioneira, a magistrada alertou para a boca de urna, denúncias anônimas e justificativas do voto.

Ao ir votar o eleitor têm o direito de manifestar suas intenções de voto individualmente e de maneira silenciosa. É permitido o uso de camiseta e adesivos, por exemplo. Porém, Gabriela explica que qualquer tipo de agrupamento próximo às seções eleitorais se configura como boca de urna. “Nós orientamos a Brigada Militar para dissolver qualquer agrupamento próximo as seções”, afirma Dantas. O uso de celular nas urnas também não é permitido.

Hoje os eleitores que não votarão podem se dirigir a alguma das seções eleitorais e justificar seu voto até às 17h. A juíza salienta que é importante que a população faça isso durante o dia, pois após as eleições a justificativa requer prova documental da ausência de voto.  O prazo é de 60 dias após o pleito.

Quanto a ocorrências e denúncias, a eleição segue na normalidade em São Luiz Gonzaga e região. Gabriela conta que houve algumas urnas de contingência que já eram previstas pelo procedimento de substituição dos equipamentos. Ela reforça que diante de qualquer situação o Cartório Eleitoral tem o apoio dos órgãos de segurança da cidade.

Caso algum cidadão presencie alguma situação de crime eleitoral como a boca de urna, a juíza orienta que seja usado a aplicativo Pardal, desenvolvido pelo Tribunal Superior de Justiça (TSE). A ferramenta permite que o eleitor fiscalize e denuncie infrações nas seções eleitorais. Dantas também recomenda que seja documentada a situação com alguma prova material. “Quem tiver alguma denúncia sugerimos que seja colocada alguma prova fotográfica ou material, porque às vezes chegam denúncias anônimas em grande volume e nós não temos como averiguar todas”, esclarece. Ocorrências graves que podem atrapalhar o pleito são atendidas no local com a junta eleitoral e os órgãos de segurança.

Ouça a entrevista

Autora: Larissa Buchard

Fonte: Rádio Missioneira


Copyright 2018 ® - Todos os direitos reservados