logo-nova

Rádio Online

Clique e confira

(55) 3352-4141

Fale conosco!

Rua Júlio de Castilhos 2236, Centro, São Luiz Gonzaga, RS

Desenvolvimento da soja no Rio Grande do Sul é beneficiado pelo clima

Compartilhe!

Com a soja praticamente semeada no Rio Grande do Sul, com níveis apropriados de umidade no solo, as elevadas temperaturas e a exposição à radiação solar proporcionaram a aceleração do crescimento da cultura, que expressa vigor característico nas plantas. Como consequência das chuvas anteriores, foi observada significativa melhoria nas condições das lavouras de soja em todo o Estado e a diminuição de sintomas de estresse hídrico em algumas áreas. Atualmente no Rio Grande do Sul a soja está com 62% das lavouras em germinação e desenvolvimento vegetativo, 30% em floração e 8% em enchimento de grãos.

De acordo com o Informativo Conjuntural, divulgado nesta quinta-feira (25) pela Emater/RS-Ascar, vinculada à Secretaria Estadual de Desenvolvimento Rural, a maioria das lavouras de soja já concluiu ou está em fase de fechamento das entrelinhas, evidenciando uma interação sinérgica entre a cultura e as condições climáticas recentes. As plantas apresentam emissão de folhas novas bem desenvolvidas, com entrenós mais longos a partir do terço intermediário em direção às pontas, além da ocorrência de brotações laterais no terço inferior. Nas áreas de cultivares precoces, o período de formação das vagens se iniciou, e a fixação deverá ser satisfatória, dadas as condições ambientais favoráveis.

Em razão das chuvas regulares, o monitoramento de doenças tem sido constante, sendo adotados intervalos menores entre as pulverizações. No Oeste do Estado, há relato da presença de percevejo nas lavouras. Entretanto, os produtores têm sido orientados a utilizar inseticidas somente a partir da fase de formação das vagens, pois, nas fases vegetativa e de floração, o impacto desse inseto na cultura é baixo. Esses cuidados em relação ao estágio das plantas promove a racionalização do uso de inseticidas, bem como evita os riscos de ocorrência de mortalidade de insetos polinizadores.

Fonte: Assessoria de Imprensa da Emater/RS-Ascar

 

IMPORTANTE: Não autorizamos a reprodução de conteúdo em outros sites, portais ou em mídia impressa, salvo sob autorização expressa.