Com salas superlotadas, alunos do EJA do Colégio TBG de Santo Antônio das Missões recorrerão ao Ministério Público - Rádio Missioneira - São Luiz Gonzaga - RS
55.99986.2313 (55) 3352-4141

PREVISÃO DO TEMPO

São Luiz Gonzaga
22 de fevereiro de 2019
55.99986.2313 (55) 3352-4141

Com salas superlotadas, alunos do EJA do Colégio TBG de Santo Antônio das Missões recorrerão ao Ministério Público

Alunos reuniram-se e elaboraram requerimento que será entregue ao Ministério Público (Foto: Divulgação)
22 de fevereiro de 2019 l 14:25
Materia atualizada: 23/02/2019 l 08:38

“Enturmamento” imposto pelo Estado faz com que algumas turmas cheguem a 70 alunos na mesma sala e estudantes reclamam das condições.





Compartilhe!
  • 350
    Shares

O ano letivo não começa bem para os alunos do EJA modalidade Educação para Jovens e Adultos do colégio Tolentina Barcelos Gonçalves (TBG) que encontraram superlotação de salas já no primeiro dia. Os estudantes estão elaborando um requerimento para que seja tomadas providências, o abaixo assinado será entregue ao Ministério Público.

Neste documento os alunos relatam as dificuldades encontradas com o “enturmamento” que uniu turmas e superlotou salas de aula do T5 e T6 ensino fundamental que foram unidas, as três do ensino médio também compartilham a mesma sala de aula.

O diretor Lucas Dorneles falou ao Programa Cidade Alerta na manhã desta sexta-feira (22) e relatou que as duas turmas do ensino fundamental foram unidas em uma só e que todo o ensino médio também foi enturmado.

Somente as três turmas do ensino médio (T7, T8 e T9) possuem 70 matriculados, estes dividem um espaço comum, tornando impossível a realização de aulas com qualidade.

Lucas justifica a grande demanda na modalidade de Ensino de Jovens e Adultos e ensino médio afirmando que o TBG é o único colégio que oferece o ensino noturno para os alunos que trabalham. Ele destaca que na cidade, o TBG é a única opção para quem trabalha continuar seus estudos. E que é obrigação do estado suprir a demanda por se tratar de um direito

Além da qualidade do ensino, outro fator que preocupa é a segurança, pois o plano de proteção contra incêndio prevê um número limitado de alunos por sala de aula

O diretor chega a temer pelos alunos, pois o protocolo prevê 35 estudantes por turma, Lucas destaca que o prédio é antigo com fiação elétrica  antiga e aparelhos de ar condicionado nas salas de aula. Combinação que tem causado tragédias recentes.

Salas estão com alunos além do previsto porque séries foram enturmadas (Foto: Divulgação)

A direção da escola tem realizado esforços contatando inclusive a Coordenadoria Regional de Educação que encaminhou a demanda para a secretaria estadual de Educação na busca de homologação de novas turmas, o que por enquanto não ocorreu.

Lucas acredita que o motivo é o enxugamento de folha de pagamento e lamenta que o Estado pense somente na desoneração da folha, em detrimento a qualidade do ensino, a segurança da vida  e ao direito do aluno em acessar a educação pública.

Dorneles destaca que há relatos que a situação se repete em outros locais. A orientação da CRE é para o TBG não matricular mais ninguém.  Muitos alunos estão voltando pra casa sem vaga.

A comissão de alunos reúne assinaturas no documento que será entregue na promotora na segunda-feira (25). E os alunos que não conseguiram vagas buscam também o seu direito através do Ministério Público.

Confira a integra do documento que está sendo assinado pelos alunos:

Nós, alunos da EJA – Educação de Jovens e Adultos – do Colégio Estadual Tolentina Barcelos Gonçalves, cito à Rua Adriano Dorneles nº 3460, vimos por meio desse instrumento, manifestar nossa preocupação e indignação junto a esse órgão público, bem como requerer providências.

Fato ocorre que, nós alunos abaixo subscritos, havendo efetuado a inscrição e posterior matrícula junto à secretaria da instituição de ensino acima citado, comparecemos ao colégio na noite do dia 20 de fevereiro desse ano para iniciarmos as aulas, e na ocasião fomos comunicados pela direção do colégio que as turmas de EJA T5/T6 Ensino Fundamental e EJA T7/T8/T9 Ensino Médio encontram-se enturmadas, ou seja, essas turmas terão aulas na mesma sala.

Na ocasião também fomos informados pela direção que tal determinação parte da SEDUC/RS, o que impede a escola de reorganizar as turmas adequadamente em suas salas de aula de acordo com a seriação e com a disponibilização de professores para as mesmas. Entendemos que esse fato compromete o bom andamento das aulas, a qualidade das atividades pedagógicas desenvolvidas pelos professores, e consequentemente o aproveitamento e aprendizagem dos conteúdos/conhecimentos desenvolvidos nessas turmas. Em virtude dessa situação muitos alunos matriculados não têm comparecido às aulas, alegando não ter condições de permanecer em sala de aula devido ao calor, bem como, por acreditarem não haver as mínimas condições de aprendizagem.

Também o espaço físico compromete nossa aprendizagem, visto que essas turmas encontram-se superlotadas, com mais de setenta alunos matriculados na turma T7/T8/T9, tendo a situação agravada pelo intenso calor nessa época do ano, o que após um longo dia de trabalho, em que nos dirigimos à escola, muitas vezes sem ter tempo para nos alimentarmos, torna a situação bem difícil. Também fomos informados pela direção que o colégio encontra-se impedido pela mantenedora – 32ª CRE de São Luiz Gonzaga – de realizar novas matrículas dessa modalidade de ensino, assim, as pessoas que trabalham e dirigem-se à secretaria da escola não conseguem efetuar sua matrícula, tendo assim, negado o seu direito ao acesso e permanência na educação pública.

Na ocasião fomos informados pelo diretor Lucas Dorneles que essa turma encontra-se em situação ilegal, visto que fere os princípios do Parecer 56/2006, que versa sobre o número máximo de alunos com necessidades especiais por turma, realidade encontrada nessa turma.

Por tais razões, vimos denunciar o descaso e tentativa de desmonte da escola pública nessa referida situação, e pedir providências junto à Promotoria Pública. Entendemos a Educação pública e de qualidade ser um direito aos cidadãos, com acesso, permanência e direito às aprendizagens, garantidos pela Constituição Brasileira.

Santo Antônio das Missões, 21 de fevereiro de 2019.

 

Por: Rogerio Morais

Fonte: Rádio Missioneira


Copyright 2018 ® - Todos os direitos reservados