Jornal da Manhã fez levantamento da cheia do Rio Uruguai

A enchente que atinge os municípios da região nos últimos dias foi destaque na programação da Rádio Missioneira hoje pela manhã. Prefeitos, assessores de imprensa e coordenadores da Defesa Civil de dos municípios atingidos falaram no programa Jornal da Manhã e Cidade Alerta.

Porto Xavier

Em entrevista ao Jornal da Manhã o Prefeito Paulo Sommer, confirmou que já publicou o estado de emergência em seu município no ultimo sábado. As informações da Assessoria de Imprensa divulgadas às 11h de hoje, o rio atingiu o nível máximo aproximado de 17m65cm e começa a baixar.
O último boletim da Defesa Civil informa que 608 pessoas estão desabrigadas e 784 desalojadas. Mais de 1500 pessoas foram atingidas com a cheia do rio. O Prefeito afirmou que estão efetuando o levantamento de todos os problemas causados com esta cheia.

Disse que algumas casas de madeira que ficaram submersas podem estar destruídas. Isso só será confirmado após o rio baixar e por isso a Prefeitura não possui um levantamento completo dos prejuízos causados pela cheia do rio. Afirmou ainda que deverá abrir uma conta no Banco do Brasil para que as pessoas possam ajudar a população atingida por esta enchente. Na entrevista o Prefeito agradeceu a defesa civil do Estado que desde o momento que foi informada da situação esteve no Município e esta auxiliando no levantamento dos prejuízos causados a Porto Xavier. Paulo Sommer também agradeceu ao 4º RCB que enviou 6 caminhões e em torno de 60 a 70 homens para auxiliar na retirada de moveis e utensílios dos atingidos e esse apoio do Exercito foi fundamental para a Administração e a própria população.
 

São Borja

Em São Borja, conforme o último boletim da Defesa Civil, 300 pessoas estão desabrigadas e 900 desalojadas. Elas estão provisoriamente no ginásio do Bairro Passo, próximo à Zona Ribeirinha e em associações de moradores. Os mais atingidos pela enchente no município ficam nas vilas da cidade e Bairro Itaxerê. Segundo Edson Arce, da Rádio Cultura, que participou da programação do Jornal da Manhã de hoje, o rio está 13,5 metros acima do nível normal.

A Prefeitura Municipal, Defesa Civil, Exército e Corpo de Bombeiros trabalham em conjunto desde sexta-feira para socorrer e abrigar as famílias. Foi montada uma cozinha comunitária e um posto de atendimento médico para as famílias. Edson também informou que grande parte das estradas e pontes estão comprometidas, por isso não haverá transporte escolar hoje. A ponte entre São Borja e Garruchos sob o rio Icamaquã está interrompida.

As férias escolares da Rede Municipal foram antecipadas, do dia 1º a 13 de julho e o município decretará situação de emergência.
A AES Sul está desligando as redes de energia nos locais que apresentam risco às pessoas e não há possibilidade de falta de água e nem previsão de abertura de barragens.

São Nicolau

Em São Nicolau, conforme o prefeito Benone de Oliveira Dias, ainda não há um levantamento oficial dos prejuízos.A localidade de San Izidro é uma das mais atingidas. Ontem à tarde o rio estava 19 metros acima do nível normal. Está sendo estudada a possibilidade de decretar situação de emergência. 12 famílias foram tiradas de casas e levadas até locais seguros. A equipe da prefeitura tenta chegar até o local, que está com estrada parcialmente interrompida.

Pirapó

Segundo o vice-prefeito Lauro Noll, coordenador municipal da Defesa Civil, durante o final de semana equipes trabalharam no socorro às famílias atingidas. Caminhões da Secretaria de Obras foram utilizados para transportar os principais pertences das oito famílias que tiveram que sair de suas casas. Plantações de mandioca, cana de açúcar e campos estão inundados. Desde quinta-feira à tarde o acesso por balsa está interrompido.

No sábado à noite, o nível do rio atingiu a ponte da estrada entre Pirapó e Dezesseis de Novembro, impossibilitando o acesso aos município. Toda a ponte está submersa. O acesso a Pirapó deve ser feito via São Nicolau. Hoje não haverá aulas na escola da Figueira e na Escola Henrique Sommer à noite, devido a dificuldade do transporte escolar realizar o trajeto pelo interior.

Garruchos

Garruchos é um dos municípios mais atingidos pela cheia do rio Uruguai. O nível do rio chegou a 22 metros acima do nível normal, desabrigando famílias ribeirinhas de diversas localidades. Na sede do município a água também atinge as ruas da cidade. Segundo o prefeito Carlos Cardinal, que participou do Jornal da Manhã, a água estava a pouco mais de um metro da Prefeitura Municipal. O quartel dos fuzileiros, localizado no lado argentino do rio está totalmente debaixo d’água. No município mais 150 pessoas estão desabrigadas. Pequenos produtores perderam todas as lavouras, campos e criações de gado. Muitos animais foram levados pela correnteza.

As comunidades do Faxinal e Pedregulho foram as mais atingidas. Os moradores foram resgatados com barcos e chalanas.A Igreja Católica cedeu o Salão Paroquial para que sirva de cozinha comunitária. Casas de parentes, clubes e ginásios estão sendo usados como abrigo.Cardinal disse que aguarda uma posição do Governo do Estado para antecipar recursos ou dar outra providência aos municípios atingidos. Algumas comunidades do interior estão sem luz, devido aos postes estarem submersos e por conta disso estão também sem água. Outros lugares, fazendas e animais estão ilhados.
A Assistência social pede para que todos os atingidos pela enchente procurem o setor para realizar o cadastro e comunica que está servindo no Salão Paroquial da Igreja Católica de Garruchos café, almoço e janta.

Doações

As doações para os municípios atingidos podem ser feitas na Brigada Militar, Defesa Civil e Livraria Magia das Letras em São Luiz Gonzaga. Água, alimentos, cobertores, itens de higiene e limpeza, colchões e roupas são os principais artigos que os atingidos pela enchente necessitam no momento. Informações pelo telefone 3352-2856.