Prorrogada a vacinação contra a gripe

A campanha de vacinação contra a gripe foi
prorrogada até o dia 5 de junho em todo o país. A mudança foi anunciada pelo
Ministério da Saúde hoje (22), data inicialmente prevista para o encerramento
da campanha. Até o momento, 46,2% do público-alvo foram imunizados. A
prorrogação tem como meta alcançar o índice de 80% de imunização.

O último balanço do
ministério indica que, entre os grupos prioritários, as puérperas (mulheres no
período até 45 dias após o parto) registram, até o momento, a maior cobertura
(62,5%), seguidas pelos idosos (52%), pelas crianças com idade a partir de 6 meses
a menores de 5 anos (45,1%); pelas gestantes (42,3%) e pelos trabalhadores da
saúde (39,5%).

Entre os indígenas,
a vacinação atingiu 35,1%. ?Como a vacinação desse grupo é feita em áreas
remotas, a atualização dos dados segue outra dinâmica?, informou o ministério.
Além disso, foram aplicadas 3,5 milhões de doses em pessoas com algum tipo de
doença grave, presos e em trabalhadores do sistema prisional.

A vacina protege
contra os três subtipos do vírus da gripe determinados pela Organização Mundial
de Saúde para este ano ? A (H1N1), A (H3N2) e Influenza B. O período de maior circulação da
gripe no Hemisfério Sul vai do final de maio a agosto. Após a aplicação, o
corpo leva de duas a três semanas para gerar a proteção contra a gripe.

Para receber a dose,
é preciso levar o cartão de vacinação e um documento de identificação. Pessoas
com doenças crônicas ou com outras condições clínicas especiais precisam
apresentar uma prescrição médica, explicando o motivo da indicação da vacina.
Pacientes cadastrados em programas de controle das doenças crônicas do Sistema
Único de Saúde (SUS) devem se dirigir aos postos em que estão registrados a fim
de receber a dose, sem necessidade de prescrição médica.