Rádio Online

Clique e confira

(55) 3352-4141

Fale conosco!

Rua Júlio de Castilhos 2236, Centro, São Luiz Gonzaga, RS

Notícias falsas podem ser danosas ao pleito, afirma promotor eleitoral de São Luiz Gonzaga

Compartilhe!

Uma das vitoriosas das eleições 2018 a arte de espalhar boatos e notícias falsas, as chamadas fake news. Tanto na campanha, na véspera e no dia do pleito, inúmeras notícias falsas foram compartilhadas nas redes. Um dos que mais repercutiu foi a de uma falsa fraude na urna eletrônica. A tese de que o equipamento não é confiável foi um dos assuntos mais discutidos neste pleito.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) comprovou que se tratava de um vídeo falso. “Vídeo e mensagens em redes sociais e app de bate-papo sobre processamento dos votos na urna antes da tecla ‘confirma’ SÃO FALSOS”, publicou o TSE no Twitter, compartilhando uma nota emitida pelo Tribunal Regional de Minas Gerais (TRE-MG).

Na região da 52ª Zona Eleitoral, que tem sede em São Luiz Gonzaga, houve relatos, nenhum confirmado, de fraude. Uma eleitora postou no Facebook que a foto do candidato não aparecia na hora da votação. No entanto a informação não era verdadeira.

A juíza eleitoral Gabriela Dantas Bobsin, reforçou a reportagem da Missioneira a credibilidade nas urnas. “É um assunto exaustivamente explicado. As urnas são seguras”, explicou.

O promotor eleitoral Marcos Lamin manifestou preocupação em relação aos boatos e notícias falsas divulgadas nas redes e grupos de Whatsapp, que podem influenciar eleitores. “Pode ser muito danoso ao pleito”, resumiu. “Muitos eleitores podem ter baseado seu voto em informações que não são verdadeiras”, disse o promotor. Ele orienta eleitores a checarem as notícias antes de divulgar ou compartilhar.  “Eu peço às pessoas que verifiquem as informações antes de repassar”.

A procuradora-geral Eleitoral, Raquel Dodge, também se preocupa com o impacto das mentiras nas eleições. “Não é correto usar de falsidade ideológica para trazer intranquilidade à população, tentar influenciar a vontade do eleitor com notícia falsa e, muito menos, desacreditar o sistema eleitoral”, disse ao portal Jota. Ela defende que os disseminadores dos boatos sejam punidos pela lei.

Ouça a entrevista do promotor Lamin

Autora: Amanda Lima

Fonte: Rádio Missioneira. com informações do portal Jota.