logo-nova

Rádio Online

Clique e confira

(55) 3352-4141

Fale conosco!

Rua Júlio de Castilhos 2236, Centro, São Luiz Gonzaga, RS

ACI recebe informações sobre o Centro Regional de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest)

Compartilhe!

A diretoria da ACI recebeu em sua reunião semanal de segunda-feira, dia 25, representação do Centro Regional de Referência em Saúde do Trabalhador – Cerest – com sede em Ijuí, que tem área jurisdicional na macrorregião missioneira do Estado, que compreende 79 municípios da 9ª Coordenadoria Regional de Saúde (Cruz Alta), 12ª CRS (Santo Ângelo), 14ª CRS (Santa Rosa) e 17ª CRS (Ijuí).

Explicaram que o Cerest tem por finalidade dar subsídio técnico para o SUYS nas ações de promoção, prevenção, vigilância, diagnóstico, tratamento e reabilitação em saúde dos trabalhadores urbanos e rurais, através de ações sobre Vigilância em Saúde, Assistência e Reabilitação, Interinstitucionalidade e Educação continuada.

Essa representação estava formada por Carlos Renato Vieira Sória e Gracieli Jagmin e pela enfermeira Rosane da Secretária Municipal da Saúde representante do órgão de São Luiz Gonzaga.
O RGS dispõe de 11 Centros Regionais de Referência em Saúde ao Trabalhador (Cerest), sendo que o de Ijuí, que jurisdiciona a região missioneira, está funcionando há anos. Os recursos para o seu funcionamento provém da União e do Estado, mas os pagamentos são feitas via empenho da Prefeitura de Ijuí, que recebe os repasses correspondentes ao custeio do órgão. A vinculação funcional dos servidores também é com a mesma Prefeitura. A estrutura permanente do Cerest Ijuí abriga as seguintes áreas profissionais: assistente social, enfermeira do Trabalho, engenheira do de Segurança do Trabalho, estagiário de Publicidade e Propaganda, Fisioterapeuta, Fonoaudióloga, Higienizadoras, Médicos do Trabalho, Psicóloga, Técnica de Enfermagem do Trabalho e Técnico de Segurança do Trabalho.

A representante do Cerest Ijui em São Luiz é a enfermeira Rosane, da Secretaria Municipal da Saúde. Cabe a ela fazer as notificações de acidentes de trabalho (conforme o caso o levantamento deve ser feito por equipe técnica do Centro Regional de Referência em Saúde do Trabalhador). O Cerest oferece atendimento em várias áreas de recuperação para o trabalho, especialmente em especialidades não oferecidas pelo SUS ou quando a demanda supera sua capacidade de atendimento. São Luiz, por estar localizado relativamente longe de Ijuí, recebe pouco atendimento do Cerest, reconhece a equipe que visitou a ACI. O encaminhamento ao Cerest deve sempre ser feito pela Unidade Básica de Saúde do bairro onde reside o trabalhador.

Novos associados na ACI

Na reunião de segunda-feira, a diretoria da ACI homologou o ingresso de dois novos associados, o Mini-mercado São José, de José Rodrigo Martins Miranda e Oficina das Tintas, de Daniel Júnior Moraes dos Santos.

ACI e Sindilojas presentes em reunião sobre
plano de expansão das ferrovias no Estado

A ACI e o Sindilojas, através dos diretores Carlos Alberto Duta e Sonia Bressan Vieira (ACI), Nelson Faleiro e José Leal Guedes (Sindilojas), participaram sexta-feira de reunião regional para debate em torno da proposta de integração do Rio Grande do Sul ao projeto de reorganização das linhas ferroviárias do País. A reunião teve lugar na sede da AMM – Associação dos Municípios das Missões, em Cerro Largo e teve a presença do presidente da Assembleia Legislativa do Estado, deputado Pedro Westphalen e do deputado Valdeci Oliveira, líder do governo na Assembleia, bem como dos prefeitos da região e municípios limítrofes.

A expansão da malha ferroviária interessa à região, porque as vias rodoviárias estão com trânsito intenso, em alguns horários acima de sua capacidade e as ferrovias podem dividir essa demanda e ainda oferecer menor custo para o transporte da produção gaúcha. Na reunião da ACI, segunda-feira, Carlos Alberto Dutra e Sonia Bressan Vieira apresentaram um relatório sucinto em torno da reunião, informando o que já está decidido. Nossa região, que não está na linha tronco (para onde deve convergir todas as demais, chamadas de alimentadoras), existe uma discussão em torno da bitola da malha, a atual, estreita, de um metro de largura e a larga, de um metro e 60 cms. São duas linhas alimentadoras em nossa região, uma que inicia em Santa Rosa e interlilga com Giruá, Guarani das Missões, Santo Ângelo, Ijuí e Cruz Alta. E a outra de Cerro Largo, São Luiz, Bossoroca e Santiago. A linha tronco inicia em Erechim e passa por Passo Fundo, Cruz Alta, Santa Maria, Cacequi, São Gabriel, Bagé, Pelotas e Rio Grande.

A ideia é aproveitar o que existe da antiga malha implantada no Estado e que serviu à Viação Férrea do Estado, posteriormente encampada pela Rede Ferroviária Federal. Por isso, poderá haver trechos em bitola estreita, como alimentadoras de outras, em bitola larga. Para a malha de São Luiz, o prefeito Junaro Figueiredo reivindicou bitola larga, o que será motivo de estudos. No Rio Grande do Sul a nova ferrovia brasileira tem incentivo de comissão especial da Assembleia Legislativa do Estado, cujo presidente é o deputado Raul Carrion (PCdoB).

Está pronto o projeto para criação do Corede Fronteira Missões

Com a participação de 13 municípios das Missões, deverá ser protocolado ainda esta semana na secretaria do Planejamento do Estado, projeto para criação do Corede Missões Fronteira, como desdobramento do Corede Missões.

A prof. Sonia Bressan Vieira, presidente do Comude, coordenou a elaboração desse projeto, que exigiu vários dias de dedicação praticamente exclusiva para sua formalização.

IMPORTANTE: Não autorizamos a reprodução de conteúdo em outros sites, portais ou em mídia impressa, salvo sob autorização expressa.